3/21/2011

Poesia coletiva- Várias turmas da escola

Amigos sempre presentes,
Misto de amor e fraternidade.
Ilusionistas, por instinto,
Zeladores da paz e harmonia
Algo existente
Dentro de todos nós
E se cruzam eternamente.
(Poema coletivo)



Decerto todos já sentiram
Isto que sinto e me vai na alma
Sempre, a um ritmo avassalador,
Corroendo no meu Ser e…
Rindo na minha cara.
Ironia do destino!…
Mentem com descaramento:
“Isto será amor?”
Não nego as minhas raízes, porque
Antes de mim outros viveram
Dotados de muito valor e… talvez
Oriundos do Além.

(Poema coletivo)

B afo quente quando me levanto
Oceano de vapor
Centrado no sono.
Estando já a dormir
Junto à minha almofada
Olhando pelos sonhos que me evadem.
(Rafael – 5º A)


A amizade nasce de uma flor
Com raízes adormecidas,
Mesmo em dias de sono,
Regadas com lágrimas esterilizadas
Nasce para a vida!
(Fátima Glória)


Homem cheio de Luz
Unido por laços de ternura em
Movimentos retilíneos
Ambulantes dentro do Ser.
Nacionalidade à parte,
Invasor da inferioridade
Dentro de cada um de nós.
Abranda corações exaltados
De humanos corajosos que
Enfrentam a Vida.
(Poema coletivo)
Sentimento contrário à espertina
O sono invade o meu dia
Num frenesim constante.
Olhando à minha volta
Leda e queda fico
Esperando despertar
Numa angústia terrível,
Centrada nas horas vindouras,
Imagino um leito macio
Aconchegando o meu sono.
(Poema coletivo)

Só numa cama deitado
Olhando o teto, penso:
“Noite calma se aproxima!”
Os olhos fecho e…vem aí o…
(Quadra coletiva)